Três pessoas são mortas dentro de casa no bairro Jardim Botânico, em Porto Alegre

Polícia investiga se crime tem relação com outra morte que ocorreu cerca de uma hora antes.

Três pessoas são mortas dentro de casa no bairro Jardim Botânico, em Porto Alegre

Polícia investiga se crime tem relação com outra morte que ocorreu cerca de uma hora antes. Vítimas do triplo homicídio foram identificadas como Karyne Oliviera Silva, Paulo Ricardo Lima de Oliveira e Pablo Nunes Almeida. Eles não tinham antecedentes criminais. Três pessoas são encontradas mortas em casa no bairro Jardim Botânico Três pessoas foram encontradas mortas dentro de uma casa no bairro Jardim Botânico, em Porto Alegre. A residência fica na Rua Siegfried Gunther Fischer, chamada de Rua Secundária, que fica próxima à Avenida Cristiano Fischer. As vítimas foram identificadas como Karyne Oliviera Silva, de 32 anos, Paulo Ricardo Lima de Oliveira, de 32 anos, e Pablo Nunes Almeida, de 22 anos. Elas não tinham antecedentes criminais. A Brigada Militar foi acionada por volta das 2h. O jovem estava morto na sala. O casal estava no quarto. Conforme o delegado Gabriel Bicca, a polícia acredita que o jovem tenha sido torturado. "Tinha sinais de tortura. Ele estava com um dos dedos amputados e esse dedo foi encontrado dentro do bolso na calça. Ao que tudo indica, ele foi bem maltratado para apontar essa residência, talvez a outra, isso a investigação vai [comprovar]", diz. A polícia ainda relatou que o jovem não morava naquela casa. Há a suspeita de que ele tenha sido torturado para apontar o endereço dessa residência aos criminosos. Os autores do crime chegaram em um carro branco e chutaram a porta, segundo a polícia. A motivação ainda é investigada. "Pelos relatos, entre três a quatro pessoas estão envolvidas nos fatos", acrescenta. Três pessoas foram mortas em uma casa no bairro Jardim Botânico RBS TV/Reprodução Outro crime Cerca de uma hora antes do triplo homicídio, um homem foi encontrado morto em uma rua no bairro Jardim Carvalho. "Tudo indica que tem uma relação. Claro que a investigação vai aprofundar, as perícias vão apontar alguns dados relevantes para os dois casos", afirma Bicca. Conforme o delegado, a forma de executar as vítimas foi muito parecida, com o mesmo tipo de arma, e há possibilidade de ter sido usado o mesmo carro branco nas duas ocorrências. A região onde ocorreu a primeira morte é um local onde há tráfico de drogas, segundo o delegado.