Polícia aguarda autorização judicial para analisar celular com informações sobre assassinatos em Porto Alegre

Aparelho foi apreendido nesta terça-feira (23), durante buscas realizadas realizadas nos bairros Jardim Carvalho e Bom Jesus. Investigação aponta relação entre três mortes no Jardim Botânico e outra em região próxima. Polícia Civil faz buscas na Vila Bom Jesus e no Jardim Carvalho, em Porto Alegre Divulgação/Polícia Civil A Polícia Civil apreendeu na tarde desta terça-feira (23) um telefone celular com informações sobre os quatro assassinatos que aconteceram na madrugada anterior em Porto Alegre. O material foi recolhido durante buscas realizadas nos bairros Jardim Carvalho e Bom Jesus, segundo o delegado Eiberth Moreira, que aguarda uma decisão judicial para checar o conteúdo. Por volta das 2h, três pessoas foram encontradas mortas dentro de uma casa na Rua Siegfried Gunther Fischer, chamada de Rua Secundária, que fica próxima à Avenida Cristiano Fischer, no bairro Jardim Botânico. A polícia acredita que entre três e quatro pessoas tenham cometido o crime, e não tem suspeitos identificados. As vítimas, Karyne Oliviera Silva, de 32 anos, Paulo Ricardo Lima de Oliveira, de 32 anos, e Pablo Nunes Almeida, de 22 anos, não tinham antecedentes criminais. Porém, a polícia apurou que o homem mais velho tinha uma ligação com um grupo criminoso que atua na Vila Bom Jesus, onde foi realizada a ação à tarde. "O Paulo foi morto no Jardim Botânico, mas temos informações de que ele era vinculado à facção que atua na Vila Bom Jesus, por isso fomos nesses locais", disse Moreira. Segundo o delegado, Pablo, a vítima mais jovem, foi sequestrado nas proximidades do bairro Jardim Carvalho, e torturado para apontar o endereço da residência onde Paulo estava. Perto, aconteceu a morte de Diego Pedro Cavitione Rodrigues, de 22 anos. A polícia suspeita que os assassinos do trio sejam autores do outro crime. "Há indicativos de que ele foi arrebatado em um local próximo. É uma linha de investigação, sem descartar qualquer outra", afirmou o delegado. Três pessoas foram mortas em uma casa no bairro Jardim Botânico RBS TV/Reprodução Durante a ação realizada nesta quarta, a polícia abordou pessoas, que mostraram a agentes os telefones celulares com informações sobre o crime. Um aparelho foi levado por policiais, e o delegado ressalta que o dono não tem relação com o caso. "Outras pessoas identificadas na via pública, abordadas, deram acesso ao celular e foram verificadas essas informações pertinentes à investida", disse Moreira. Ainda durante a ação, ainda foram presos dois adultos, e um adolescente foi apreendido. Nenhum deles tinha relação com os assassinatos, entretanto. Uma das prisões foi em flagrante, por tráfico. A segunda foi de um foragido por roubo, com prisão preventiva decretada. Já o menor é suspeito de envolvimento em outro assassinato.

Polícia aguarda autorização judicial para analisar celular com informações sobre assassinatos em Porto Alegre

Aparelho foi apreendido nesta terça-feira (23), durante buscas realizadas realizadas nos bairros Jardim Carvalho e Bom Jesus. Investigação aponta relação entre três mortes no Jardim Botânico e outra em região próxima. Polícia Civil faz buscas na Vila Bom Jesus e no Jardim Carvalho, em Porto Alegre Divulgação/Polícia Civil A Polícia Civil apreendeu na tarde desta terça-feira (23) um telefone celular com informações sobre os quatro assassinatos que aconteceram na madrugada anterior em Porto Alegre. O material foi recolhido durante buscas realizadas nos bairros Jardim Carvalho e Bom Jesus, segundo o delegado Eiberth Moreira, que aguarda uma decisão judicial para checar o conteúdo. Por volta das 2h, três pessoas foram encontradas mortas dentro de uma casa na Rua Siegfried Gunther Fischer, chamada de Rua Secundária, que fica próxima à Avenida Cristiano Fischer, no bairro Jardim Botânico. A polícia acredita que entre três e quatro pessoas tenham cometido o crime, e não tem suspeitos identificados. As vítimas, Karyne Oliviera Silva, de 32 anos, Paulo Ricardo Lima de Oliveira, de 32 anos, e Pablo Nunes Almeida, de 22 anos, não tinham antecedentes criminais. Porém, a polícia apurou que o homem mais velho tinha uma ligação com um grupo criminoso que atua na Vila Bom Jesus, onde foi realizada a ação à tarde. "O Paulo foi morto no Jardim Botânico, mas temos informações de que ele era vinculado à facção que atua na Vila Bom Jesus, por isso fomos nesses locais", disse Moreira. Segundo o delegado, Pablo, a vítima mais jovem, foi sequestrado nas proximidades do bairro Jardim Carvalho, e torturado para apontar o endereço da residência onde Paulo estava. Perto, aconteceu a morte de Diego Pedro Cavitione Rodrigues, de 22 anos. A polícia suspeita que os assassinos do trio sejam autores do outro crime. "Há indicativos de que ele foi arrebatado em um local próximo. É uma linha de investigação, sem descartar qualquer outra", afirmou o delegado. Três pessoas foram mortas em uma casa no bairro Jardim Botânico RBS TV/Reprodução Durante a ação realizada nesta quarta, a polícia abordou pessoas, que mostraram a agentes os telefones celulares com informações sobre o crime. Um aparelho foi levado por policiais, e o delegado ressalta que o dono não tem relação com o caso. "Outras pessoas identificadas na via pública, abordadas, deram acesso ao celular e foram verificadas essas informações pertinentes à investida", disse Moreira. Ainda durante a ação, ainda foram presos dois adultos, e um adolescente foi apreendido. Nenhum deles tinha relação com os assassinatos, entretanto. Uma das prisões foi em flagrante, por tráfico. A segunda foi de um foragido por roubo, com prisão preventiva decretada. Já o menor é suspeito de envolvimento em outro assassinato.