Viamão e a ligação com a tragédia do vôo 099 da Panair do Brasil

Saiba o que Viamão tem a ver com o acidente aéreo que tirou a vida de 51 pessoas em 1950.

Viamão e a ligação com a tragédia do vôo 099 da Panair do Brasil
Vôo 099 Panair do Brasil em 1950
Viamão e a ligação com a tragédia do vôo 099 da Panair do Brasil

O voo Panair do Brasil 099 decolou da Base Aérea do Galeão às 15h47min, com seis horas de atraso em relação ao horário de embarque inicialmente agendado, devido a um defeito em um dos motores da aeronave, que precisou ser substituído e testado em voo de inspeção. O pouso deveria ocorrer na Base Aérea de Canoas (à época chamada de Base Aérea de Gravataí), nos arredores de Porto Alegre, às 18h40min.

O Constellation prefixo PP-PCG avião utilizado neste vôo, fora fabricado em meados de 1945, que havia sido encomendada pela Pan American World Airways e receberia o registro NC88862, não chegou a prestar serviços para a companhia norte-americana. Foi enviada para a Panair do Brasil (na época controlada pela Pan Am, mas já em processo de transferência de ações para controladores brasileiros).

O Constellation prefixo PP-PCG transportava 44 passageiros, muitos dos quais em férias no Rio de Janeiro, que havia sediado a Copa do Mundo de 1950 e 6 tripulantes, sendo pilotado pelo comandante Eduardo Martins de Oliveira. prestes a completar 10 mil horas de vôo em sua carreira.

Segundo boletins meteorológicos, havia uma frente fria estacionária entre Porto Alegre e Florianópolis, causando grandes turbulências e chuva leve na capital gaúcha. 

Após algum atraso em rota, causado pelas condições climáticas desfavoráveis, o Constellation iniciou os procedimentos de aproximação para pouso na Base Aérea de Canoas às 18h45min. O pouso, porém, foi abortado, seguindo-se uma arremetida. Durante a segunda tentativa de aterrissagem, perdeu-se contato com a torre, seguindo-se nova arremetida.

Na sequência, o Constellation chocou-se contra o Morro do Chapéu, localizado atualmente entre os municípios de Gravataí e Sapucaia do Sul, próximo a RS020, por volta das 19h25min, explodindo logo em seguida.

Com a explosão, foi deflagrado um incêndio na área, debelado apenas duas horas mais tarde, Devido ao difícil acesso à área, as equipes de resgate levaram duas horas até chegarem aos destroços, quando constataram a morte de todos os tripulantes e passageiros, Os trabalhos de remoção dos corpos e limpeza da área, comandados pelo então Coronel Olímpio Mourão Filho, levaram vários dias, devido à extensão da área em que foram espalhados os destroços.

O acidente com o vôo 099 da Panair do Brasil foi considerado, então, o pior acidente aéreo do Brasil, Entre os 44 passageiros mortos no acidente estava o ex veredor de Viamão e então delegado regional do Instituto de Aposentadoria e Pensões de Transporte e Cargas, IAPETEC, Coracy Prates da Veiga 39 anos, que descendia de uma tradicional família de Viamão.

Dois dias depois do episódio, morreria, num outro acidente aéreo ocorrido no Rio Grande do Sul, o político Joaquim Pedro Salgado Filho, que não havia embarcado no vôo 099 devido a falta de lugar. Alguns anos após o então aeródromo de São João passaria a se chamar Aeroporto Salgado Filho em homenagem ao político morto no