Caso Moro: Fui procurado por Ramagem, diz ex-chefe da PF no RJ

Caso Moro: Fui procurado por Ramagem, diz ex-chefe da PF no RJ
Novo diretor executivo PF, Carlos Henrique Oliveira
Novo diretor executivo PF, Carlos Henrique Oliveira Reprodução

O ex-superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro Carlos Henrique Oliveira de Sousa, que pediu para ser ouvido novamente pela PF na investigação que analisa denúncias feitas pelo ex-ministro Sérgio Moro, afirmou em seu novo depoimento nesta terça-feira (19) que foi procurado por Alexandre Ramagem, diretor da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) antes dele ser escolhido como diretor-geral da PF, onde fez um convite para que Oliveira fosse diretor executivo da corporação. 

Ramagem, que teve sua posse barrada pelo STF, teria perguntado a Carlos Henrique se aceitaria assumir o cargo como número 2 da PF, em que ele afirma ter respondido que "aceitaria". No primeiro depoimento, Oliveira teria dito que não foi procurado por ninguém e pediu para prestar novo depoimento para esclarecer esta informação.

Carlos Henrique Oliveira aida participou, após ser convidado por Ramagem para uma audiência com Bolsonaro em 2019, pouco antes de assumir a Superintendência da PF no Rio de Janeiro. Ele alega que Sérgio Moro, ex-ministro da Justiça e Maurício Valeixo, ex-diretor-geral da PF sabiam da reunião e não teriam participado por estarem fora de Brasília.

Leia tmabém: Moro me desqualificou para escolher diretor da PF, diz Ramagem

O atual número 2 da PF afirmou ainda que apenas ele, Alexandre Ramagem e o presidente Jair Bolsonaro participaram da reunião, que durou cerca de 30 minutos.

Ele já havia sido interrogado na terça da semana passada e tinha afirmado que  Bolsonaro nunca fez pedidos de relatórios diretamente a ele ou sua equipe quando comandava a PF no Rio de Janeiro.

Carlos Henrique Oliveira substituiu Ricardo Saad na chefia da PF no Rio em 2019, em uma das primeiras tentativas de Bolsonaro de trocar o comando da PF em seu estado de base política.

Ele também afirmou neste novo depoimento que " um trâmite diferente do habitual" na operação "Furna da Onça", que atingiria Flávio Queiroz, assessor de um dos filhos de Bolsonaro, teve "consequencias logisticas" nesta e em outras operações.

Ele ainda relatou que na deflagração da operação, um dos suspeitos que foram alvo estava esperando as equipes da PF, "trajado socialmente e com diploma universitário na mão" e que na época determinou abertura de investigação para apurar vazamento na investigação.

Com a saída de Moro e a troca no comando da PF, Carlos Henrique foi escolhido para diretor executivo da corporação, segundo cargo mais importante na hierarquia da Polícia Federal.

Além dele o delegado Claudio Ferreira Gomes, que coordenou as investigações do caso Marielle no Rio também prestou depoimento nesta terça-feira (19).

Amanhça a  Polícia Federal vai interrogar ainda outros dois delegados da corporação,  Cairo Costa Duarte, superintendente da PF em MG e o delegado Rodrigo Morais que investigou o atentado sofrido por Bolsonaro durante a campanha presidencial.